Home Novidades EM PERIGO DE EXTINÇÃO: BACIA DO CONGO, ÁFRICA

EM PERIGO DE EXTINÇÃO: BACIA DO CONGO, ÁFRICA

por Food and Travel Portugal
EM PERIGO DE EXTINÇÃO: BACIA DO CONGO, ÁFRICA

Aventure-se pelo mundo selvagem da Bacia do Congo – um mosaico de savana, floresta tropical e pântanos do tamanho do
México – e sentir-se-á como o primeiro explorador humano desta maravilha mística. Porém, só porque não os consiga ver, não significa que os seus habitantes não o vejam a si. Esta zona aloja mais de 200 tribos, muitas das quais ainda seguem um estilo de vida dependente da caça. Um movimento atrás dos arbustos tanto pode ser um guerreiro Bayaka à procura da sua próxima refeição, armado de arco e flecha, como um gorila-do-ocidente em vias de extinção.

Mas quanto tempo mais é que este ecossistema delicado conseguirá manter o seu equilíbrio sob a pressão da vida moderna? De acordo com um estudo da Science Advances, se a caça furtiva ilegal continuar a aumentar a este ritmo, metade da população de gorilas e inúmeras outras espécies vão desaparecer até 2040, o que terá efeitos colossais. Apesar do facto de ser rica em óleos e minerais, como diamantes, a bacia expande-se sobre seis dos países mais pobres de África: República Democrática do Congo, Gabão, República do Congo, Camarões, República Centro-Africana e Guiné Equatorial. Para muitas das comunidades mais remotas, a exportação de caça ilegal é a única forma de sustento que as populações conhecem. É um problema sério: só na República Democrática do Congo, um milhão de toneladas de caça furtiva ilegal é consumida e exportada todos os anos. Outro problema é a desflorestação, para a produção de óleo de palma, timber e borracha. A WWF prevê que apenas algumas pequenas partes da floresta tropical irão restar nos próximos 50 anos; uma previsão assustadora para as plantas endémicas e para as pessoas que dependem dela.

Felizmente, há esperança. Graças ao trabalho árduo de grandes instituições como a Greenpeace e a WWF, 4,8m hectares da Bacia do Congo foram certificados FSC (Forest Stewardship Council), ou seja, que está em prática o abate sustentável de árvores. Em 2009, TRAFFIC (a rede de monitorização do comércio de vida selvagem) e o governo da República Democrática do Congo desenvolveram um Plano de Ação Nacional para encontrar alternativas ao comércio de caça furtiva ilegal, o que começa a dar resultados.

O número de gorilas no Parque Nacional de Virunga cresceu de 380 para 480 na última década. O turismo focado nos gorilas é a chave para fornecer uma fonte de rendimento às comunidades locais, o que protege a sua floresta, em vez de a destruir. Por isso, faça a sua viagem de uma vida e dê aos nossos parentes mais próximos da natureza, a oportunidade de terem um futuro melhor.

VEJA AGORA

Observe os gorilas nas planícies do oeste e os elefantes e búfalos da floresta no seu habitat natural durante cinco dias, no Short Gorilla Tracking Safari, na República do Congo, que incluem safaris noturnos e um cruzeiro de barco no Rio Lekoli. A Natural World Safaris contribui para as economias e comunidades locais e ajuda na proteção da vida selvagem através de pagamentos a negócios locais e proprietários de terrenos e alojamentos. A partir de 2.000€.

FAÇA A SUA PARTE

Preste atenção ao logótipo do certificado-FSC em todos os produtos de papel e madeira e faça donativos para treinar guardas-florestais na proteção da floresta tropical. A instabilidade política da República Democrática do Congo significa que vastas extensões da floresta não estão patrulhadas, dando efetivamente espaço livre aos caçadores furtivos. Com apenas 30€, pode contribuir para o treino de guardas-florestais a desfazer armadilhas, salvar os gorilas e recolher informação
útil sobre a floresta.

Para mais artigos de viagens, faça já a assinatura da Food and Travel Portugal ou adquira a revista num quiosque perto de si!

Veja outros artigos

Este website utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Assumimos que concorda com isto, no entanto pode optar por discordar. Aceitar Leia Mais