Home FoodDa Época FRAMBOESAS

FRAMBOESAS

by Food and Travel Portugal
FRAMBOESAS

“Ácidas e doces, estas frutas perfumadas combinam lindamente com baunilha, amêndoas, chocolate e até com carne de caça. Isto, claro, se conseguirmos resistir a comê-las todas ao natural.”

Clarissa Hyman

Dar a alguém uma framboesa é um gesto delicado e poético: mordê-la, no entanto, é diferente. Parece curioso que o fruto que atrai um duplo significado tão vulgar, induza na verdade ao deleite e ao sofrimento. Este último sentimento, em círculos alimentares pelo menos, deve-se em grande parte a uma falha de design – as suas sementes. Para fãs como eu, elas são quase impercetíveis e fazem parte do encanto único do fruto. Extravagantes na forma e na cor, as framboesas possuem uma fragilidade cativante e uma mistura de sumos ácidos e doces. O resultado é um sabor intenso. Como uma mulher sábia disse uma vez, ninguém pode ser insultado por servir framboesas com creme.

Por outro lado, algumas pessoas simplesmente não conseguem superar a questão das sementes: ficam presas nos dentes e são ásperas e duras na boca. Estas pessoas mais exigentes insistem em tirá-las com uma peneira quando fazem uma compota, o que, na minha opinião, usurpa o caráter do fruto.

Acredita-se que a origem das framboesas está no oriente: têm uma aparência rica e exótica e um perfume subtil. As melhores framboesas da antiguidade eram as do monte Ida na Turquia, o que deu origem ao seu nome botânico, rubus idaeus.

As framboesas existem desde os tempos pré-históricos, mas só começaram a ser amplamente cultivadas na Europa durante o século XVI. Nessa época, eram quase sempre cozidas ou usadas como base para bebidas. Como frutas frescas, eram consideradas prejudiciais ao sistema digestivo.

No seu estado silvestre, esta fruta tem um sabor magnífico. Os bastões (caules dos arbustos com um pedaço de raiz) retirados da natureza são muitas vezes plantados por horticultores e cruzados para melhorar o rendimento e a resistência às doenças. O seu habitat natural é a floresta húmida e a planta aprecia um clima frio.

A framboesa é uma fruta triangular, ricamente colorida, com pele ligeiramente aveludada e gotas que se aglomeram em torno de um núcleo central. Quando madura, a fruta solta-se do centro sólido, que permanece como um cone branco e rijo no caule. Facilita a colheita e o consumo fica ainda mais fácil.

O cultivo da framboesa não é difícil: trata-se mais de uma necessidade de espaço exclusivo do que de cuidados constantes. Há apenas um detalhe principal a considerar: depois de uma cana frutificar, todo o ramo morre e deve ser cortado para permitir que novos bastões nasçam da base. Diferentes variedades aparecem em diferentes momentos: as Tulameen e o conjunto Glen (Ample, Lyon e Moy), são das mais cultivadas em Portugal; e nas variedades que frutificam mais de uma vez – uma na primavera e outra no outono – destacam-se a Autumn Bliss, a Galante e a Heritage. As bagas extra-grandes da Glen Ample aparecem durante todo o mês de julho. Já a Heritage Red é uma fruta tardia, com excelente sabor, que também faz boa geleia. Mas a mais popular é a Autumn Bliss.

O vermelho é a cor mais frequente, mas também há framboesas brancas, amarelas e douradas. As pretas ácidas são comuns no leste dos Estados Unidos e no Canadá e são boas para cozinhar e fazer sumos.

No verão e no outono, procure estas frutas enxutas e com uma boa cor. Elas são melhores quando totalmente amadurecidas na planta e são altamente perecíveis, por isso evite embalagens manchadas de sumo: este é um sinal de que o fruto já passou do seu melhor. Não compre as que estão danificadas ou com manchas castanhas e tente consumi-las logo no dia da compra.

Se conseguir resistir a comer as framboesas ao natural, há inúmeras maneiras de as preparar. Os mais célebres pasteleiros usam a fruta fresca em doces, já os cozinheiros adicionam a fruta para dar um toque ácido e perfumado a muitos pratos salgados.

A framboesa é, por excelência, uma fruta de verão e pode integrar vários tipos de doces e sobremesas leves, que ganham cor e elegância com a sua adição. Os pares de sabor preferidos para estes frutos são as amêndoas, o mel, a baunilha, a canela, o chocolate e o vinho tinto, mas também harmonizam bem com aves e caça. O vinagre de framboesa já foi um remédio popular para a dor de garganta e uma base comum para bebidas de verão, diluído com refrigerantes. A framboesa voltou a estar em voga com a nouvelle cuisine, nos últimos anos do século XX, mas hoje ocupa um sólido espaço na preparação de marinadas e molhos para saladas. E para os que se preocupam com as inocentes sementes, eu só posso usar a palavra F. Fio dentário.


SABIA QUE…

As framboesas são da família das rosáceas, a mesma das rosas, assim como os morangos, as maçãs e as cerejas.
⇒  As framboesas ficam melhores se não forem lavadas: a água absorvida dilui o sabor. Se achar necessário, enxagúe-as levemente e certifique-se de que as seca bem. Evite guardá-las no frigorífico porque o frio também lhes diminui o sabor.
⇒  Se quiser semear framboesas, use uma peneira fina para remover as sementes.
⇒  Os pudins de Yorkshire são muitas vezes servidos, no condado que lhe dá o nome, com vinagre de framboesa, como uma entrada.
⇒  Existem muitas lendas sobre as propriedades mágicas das framboesas. Um mito alemão diz que um galho da planta pode domar um cavalo enfeitiçado.
⇒  Ao cruzar uma framboesa vermelha da Antuérpia com uma amora preta Aughinbaugh obtemos a baga-de-logan ou loganberry. Boysenberry é um cruzamento entre a framboesa-europeia, a amora-silvestre e a loganberry.

RECEITAS:

Veja outros artigos