Início Food MACAU: A COMIDA EM FESTA

MACAU: A COMIDA EM FESTA

by Food and Travel Portugal
MACAU: A COMIDA EM FESTA

A gastronomia é um dos novos motores do turismo em Macau. Pelas ruas do centro histórico ou nos restaurantes de topo, instalados nas galerias dos maiores hotéis do mundo, a comida está no centro das atenções de milhares de visitantes. A variedade de opções é explosiva e a diversidade e o cruzamento de influências são únicos.

Bacalhau com Brás de espargos, no Guincho a Galera, do Hotel Lisboa

Quem circula pelas ruas estreitas do Bairro de São Paulo, junto às ruinas do antigo convento destruído pelo fogo, vai encontrar dezenas de pequenas lojas de souvenirs gastronómicos, invadidas por turistas asiáticos e ocidentais. Na China, é tradição oferecer presentes relacionados com comidas e bebidas. Por isso, no regresso a casa, os turistas chineses levam consigo caixas coloridas de produtos, doces ou salgados, desde carnes diversas a rebuçados e bolachas, para oferecer a amigos e familiares.

O mesmo se passa nas ruas e nas praças da histórica ilha da Taipa, ligada a Macau pela moderna Ponte da Amizade e onde hoje convivem antigas moradias coloniais e os mais sofisticados casinos do mundo, espalhados pela nova zona urbana do pequeno território.

Em Macau, é natural os habitantes cumprimentarem-se pela manhã dizendo apenas: ‘Já comeste?’, uma saudação que equivale a um ‘bom dia’. Comer na rua é um gesto comum pelo que são inúmeros os espaços que oferecem comida, abertos ao exterior, exibindo apetitosas sopas, vegetais coloridos ou as mais diversas peças de carne de porco ou vaca.

Enchidos e fumados à venda na rua

Historicamente, Macau beneficia da sua longa tradição de porta entre o oriente e o ocidente, sobretudo desde a chegada dos portugueses em 1557 e, com eles, de muitos produtos  oriundos de destinos distantes na Europa, em África ou na América – produtos que se foram misturando nas comidas locais com centenas de outros produtos asiáticos, criando receitas originais e, sobretudo, muito saborosas.

Hoje não há tipo de comida que não se encontre em Macau: chinesa, japonesa, indiana, malaia, portuguesa, francesa, coreana, tailandesa e, claro, a irresistível cozinha macaense que resulta do casamento feliz entre a gastronomia portuguesa e a chinesa, utilizando ingredientes e temperos europeus, africanos, indianos e do sudeste asiático. Com mais de 450 anos de história, a comida macaense é uma verdadeira fusão de sabores e técnicas culinárias, onde brilham pratos apurados com especiarias, como o açafrão-da-Índia, a canela, o cravo e o leite de coco que dão aos pratos aromas e sabores que ficam na memória.

Uma vendedora de rua

Pratos como a Capela, a Galinha à Africana, os Camarões Picantes à Macaense, o Minchi, o Tacho, o Bacalhau Dourado ou Macaísta ou a Sopa Lacassá e sobremesas como a Bebinca de Leite ou o Bolo Menino, contribuem para a fama e originalidade da cozinha macaense – desde 2012 inscrita na Lista de Património Cultural Imaterial de Macau e que projetou o território, há seis meses, para integrar o exclusivo grupo das Cidades Criativas da Unesco, na área da Gastronomia.

Um exemplo recente do cruzamento de influências culinárias e da efervescência que marca o cenário gastronómico macaense, é a adaptação de um doce típico português, a Serradura, recriado pelo japonês Norihito Muranaka, um criativo chef pasteleiro, actualmente responsável por essa área no Grand Lisboa Hotel.

Especialista em criar novos conceitos a partir de doces tradicionais, Norihito pegou na Serradura, também muito popular em Macau, e acrescentou apenas um ingrediente na confecção desta sobremesa: matcha, o chá verde oriundo de Kyoto, terra natal do chef e que introduz um novo sabor ao doce cremoso e aveludado. A criação de Norihito chama-se Matcha Serradura, é confecionada diariamente e está disponível no Round the Clock, um coffee shop do Grand Lisboa Hotel.

 


MACAU

Situa-se na margem ocidental do Delta do Rio das Pérolas, adjacente à cidade chinesa de Zhuhai, na Província de Guangdong, no sul da República Popular da China, e a cerca de 60 quilómetros a oeste de Hong Kong. Macau é um território composto pela península de Macau, Taipa e Coloane. A península de Macau é a zona central do território, e está ligada à Taipa por três pontes. Diversas cadeias internacionais de hotéis – com novas infra-estruturas de suporte – encontramse localizadas no aterro entre Taipa e Coloane, numa zona recentemente criada e conhecida como Cotai.

O clima é temperado durante todo o ano. A temperatura média varia entre 20ºC e 26ºC. Os níveis de humidade são elevados numa média de 79%. A moeda é a pataca: cerca de 10 patacas correspondem a 1 euro e 8 Patacas a 1 dólar americano. As moedas estrangeiras podem trocar-se facilmente nos hotéis, nos bancos e nas casas de câmbio autorizadas que existem por toda a cidade.

Sala do Robuchon au Dôme


ESTRELAS DE MACAU

 

Em Macau, a concentração de restaurantes com estrelas Michelin por metro quadrado é notável: 2 com três estrelas, 5 com duas e 11 com uma estrela. Vários dos maiores chefs internacionais assinam aqui os seus projetos gastronómicos

Robuchon au Dôme Tem três estrelas Michelin, a assinatura do chef francês Joel Robuchon e está instalado no último piso do Grand Lisboa Hotel. Leitão crocante com ervilhas e cogumelos, Bacalhau negro e molho de pimenta Malabar e os Mini burgers wagyu e fois gras são alguns dos pratos em destaque, além da magnífica variedade de queijos e doces. O piano à entrada e a vista única sobre a cidade só tornam ainda mais memorável uma visita a este espaço. Avenida de Lisboa, 00853 8803 7878, grandlisboahotel.com

The Eight Tem três estrelas, também está situado no Grand Lisboa Hotel e é um restaurante chinês com cozinha cantonesa contemporânea. A decoração é do designer de Hong Kong, Alan Chan e baseia-se em dois elementos tradicionais chineses: o peixe-dourado (que representa a energia) e o número 8 (a saúde). Os pratos como a Barriga de porco assada com medusa e caviar desfiados, o Pepino-do-mar cozido e cogumelos matsutake com supremo de lombo de porco ou a Lagosta de Boston frita com ovo, carne de porco picada e feijão preto são alguns dos emblemas do 8. Avenida de Lisboa, 00853 8803 7878, grandlisboahotel.com

Feng Wei Ju Com duas estrelas Michelin e localizado no StarWorld Hotel, é reconhecido pela aposta nos pratos da autêntica cozinha picante chinesa. O Cachaço de porco com molho de alho picante, a Galinha escalfada com pimenta verde em grão ou a Cabeça de carpa no vapor com picles de malagueta vermelha (ou com um sortido de malaguetas) são apenas três exemplos. Avenida da Amizade, 00853 8290 8668

Golden Flower Com as suas duas estrelas, localizado no Hotel Wynn Macau, serve comida inspirada nas tradições culinárias do norte da China. Destaque para os pratos de assinatura: o Abalone de Yoshihama braseado com molho castanho, as Tripas de peixe estufadas com pinças de caranguejo em sopa de supremos de frango e a sobremesa imperial. Uma variedade de pratos de Tan, Lu e Sichuan, bem como uma variedade de opções vegetarianas, também estão disponíveis. 00853 8986 3663

Jade Dragon Ambiente requintado, produtos frescos e sazonais – onde se destacam peixes e mariscos do mercado cozinhados de múltiplas formas – este restaurante de duas estrelas Michelin oferece duas opções de menu: a la carte ou dim sum. Carne picada de porco ibérico com feijões crocantes em molho de soja e Garoupa tigre escalfada com picles de repolho de Sichuan e pimenta preta são duas recomendações a considerar. City of Dreams, Piso 2, Estrada do Istmo, Cotai, 00853 8868 2822

Mizumi Com duas estrelas Michelin, este este restaurante, instalado no Hotel Wynn Macau, foca-se no lado mais artístico e artesanal da culinária japonesa. A combinação única de precisão e sabores é supervisionado por um trio de chefs. Oferece opções de sushi e tempura, pratos de teppanyaki artisticamente preparados, cortes saborosos de carne de wagyu japonesa e outras opções que celebram o melhor da cozinha nipónica, tudo servido num cenário interior que também presta homenagem ao Japão. 00853 8986 3663

The Tasting Room Com duas estrelas Michelin e dirigido pelo chef francês Fabrice Vulin, o restaurante propõe uma viagem pelos sabores de França e por ingredientes que refletem a mudança das estações, na tradição da “cuisine du terroir”. Piso 3, Nüwa Hotel, City of Dreams, Estrada do Istmo, Cotai, Macau 00853 8868 6681

 

Para mais artigos sobre viagens compre já a revista Food and Travel Portugal. Num quiosque perto de si.

Veja outros artigos