Home TravelAldeias Maravilha PIÓDÃO, AS CASINHAS DO PRESÉPIO

PIÓDÃO, AS CASINHAS DO PRESÉPIO

por Food and Travel Portugal
PIÓDÃO, AS CASINHAS DO PRESÉPIO

Visto do alto, o Piódão é um conjunto de casario escuro, cortado apenas pelo azul das portas e das janelas. Terra do interior, a sua cozinha regional investe na chanfana e no bucho. Sem esquecer os muitos doces produzidos com o nome da aldeia.

Artigo publicado em janeiro de 2018.

Pouco passa das nove da manhã e já a carrinha de António Mendes, o homem do pão, está parada no largo à entrada do Piódão, no concelho de Arganil. Diariamente, passa por esta e por outras povoações, vendendo pão, broas, bolos, bolos rei e carcaças. Pouco mais de 60 pessoas vivem nesta aldeia, rodeada de pequenas ribeiras, no coração da serra do Açor. O Piódão, que muitos comparam a um autêntico presépio, foi-se construindo em anfiteatro, com recurso ao xisto, muito abundante na região. A circulação na aldeia faz-se por entre ruas irregulares, curtas e estreitas, ou por escadarias que dão acesso aos pontos mais altos e permitem vistas fantásticas do vale, mas também do casario de portas e janelas de madeira, pintadas de azul, imagem de marca do Piódão. A aldeia é um exemplo vivo da capacidade de adaptação das populações, noutras épocas, mesmo em ambientes de geografia difícil e vias de comunicação quase inexistentes.

Conta uma lenda local, que por aqui se terá escondido, durante algum tempo, um dos assassinos de Inês de Castro, Diogo Lopes Pacheco, aproveitando o isolamento e a lonjura da aldeia e escapando assim à morte a que estava condenado. Hoje, o Piódão integra a rede das Aldeias Históricas de Portugal e é uma aldeia aberta ao turismo. No verão, os acessos e zonas de estacionamento em torno da povoação são escassos para acolher os inúmeros visitantes que procuram as águas frescas e as cascatas da região para um mergulho refrescante. É o que acontece na praia fluvial da aldeia, resultante de uma pequena represa que retém as águas da ribeira do Piódão, criando piscinas naturais (bandeira azul desde 2016); ou na Foz d’Égua, outra zona balnear, de águas cristalinas, a poucos quilómetros do Piódão, a que se chega descendo pequenos degraus de xisto.

Voltando à aldeia, logo na praça principal, o visitante pode entrar no pequeno mas muito interessante Museu do Piódão e ficar a conhecer as memórias da vida colectiva dos habitantes desta aldeia, percorrendo uma significativa exposição de fotografias de época, antigas alfaias agrícolas e muitos outros registos históricos da região (entrada 1€).

Na parte cimeira do largo, fica a igreja matriz de Nossa Senhora da Conceição, uma construção anterior ao séc. XIX, mas que foi objecto de uma grande intervenção em 1898, que lhe deu o atual perfil arquitetónico. A cor branca da igreja contrasta com o tom escuro do resto da aldeia o que a distingue, à distância, no meio do casario. Outros dois pequenos edifícios religiosos que merecem visita são a Capela das Almas (séc. XVIII) e a Capela de São Pedro (séc. XVII).

Na hora do almoço, há várias opções para uma refeição na aldeia. À entrada, está o restaurante ‘Delícias do Piódão’, com uma ampla esplanada e vista para todo o vale circundante. Cabrito assado, chanfana e bucho são os pratos regionais mais populares e que atraem mais visitantes.

Um pouco mais para o interior, mesmo junto ao chafariz do Piódão, está ‘O Fontinha’, o primeiro restaurante a abrir na aldeia, em 1989, pelo mão do pai de José Lopes, o actual proprietário e também presidente da Junta de Freguesia. Na cozinha, ficamos a saber a receita do bucho que se serve na casa: estômago de porco, febra, sangue, arroz, salsa, cominhos e cravinhos; e também um dos segredos do tempero da chanfana: o uso do serpão, uma erva aromática que cresce no campo em forma de pequeno arbusto. Nos doces, o destaque vai para a tigelada, feita com ovos, açúcar, casca de limão, leite e canela, tudo dentro de um tacho de barro que vai a cozinhar no forno a lenha. No final, o doce vai para a mesa no próprio tacho e é servido em fatias.

 


Informação de viagem

Onde comer

Delícias do Piódão Fica logo à entrada da aldeia. Tem uma esplanada com vista magnífica para o vale e uma sala confortável para apreciar pratos regionais como o cabrito assado no forno ou a chanfana. 963 557 214

O Fontinha Aberto há quase 30 anos, localizado no interior do Piódão, serve comida típica regional, com destaque para a chanfana assada em forno a lenha, o bucho de porco recheado ou as trutas grelhadas. 235 731 151

Solar dos Pachecos Também localizado logo à entrada do Piódão, serve as especialidades da região, além de oferecer uma variedade de refeições rápidas e petiscos. 235731424

Onde dormir

Casa da Padaria O edifício de paredes de xisto e janelas azuis foi em tempos uma padaria, função ainda recordada com o tradicional forno a lenha, presente na sua forma original, e com alguns utensílios utilizados no fabrico do pão de forma artesanal. Dispõe de 4 quartos. Duplos desde 50€. 235 732 773

Inatel Piódão Construído em xisto, este hotel é um bom ponto de partida para quem pretende dedicar-se à descoberta da serra. Dispõe de 27 quartos totalmente equipados, restaurante e piscina coberta aquecida. Duplos desde 50€. 235 730 100

Casa de Xisto do Piódão Casa rural em xisto, situada no centro da aldeia. Foi restaurada recentemente, tem lareira e aquecimento central. O aluguer da casa é feito em exclusivo e o valor depende do número de noites e de pessoas. Preço: 6 pessoas, 150€

Informações

Visite o site visitarganil.pt

O artigo está incompleto, para ler a versão completa faça já a sua assinatura Food and Travel Portugal e peça o suplemento das 7 Aldeias Maravilha, gratuitamente, com o envio da primeira revista.

Na versão completa do artigo poderá encontrar as nossas sugestões de hotéis, restaurantes e locais a visitar. Artigo publicado em janeiro de 2018.

Veja outros artigos

Este website utiliza cookies para melhorar a sua experiência. Assumimos que concorda com isto, no entanto pode optar por discordar. Aceitar Leia Mais