Início FoodDa Época CEREJAS

CEREJAS

by Food and Travel Portugal
CEREJAS

A cereja, madura e sumarenta, está pronta para ser colhida. Misture a fruta com flores da primavera em gelatinas, geleias e tartes, ou utilize-a como se fosse um vegetal numa salada rica de pato.

Clarissa Hyman

De acordo com uma lenda popular atribuída a Plínio, o Velho, as cerejas teriam sido introduzidas na Europa por Lucullus, general romano e também um requintado gastrónomo. Mas, na verdade, as cerejas já eram cultivadas em Itália pelos etruscos, vindas do nordeste da Ásia através da Ásia Menor. Para sermos justos, Lucullus poderá ter trazido uma variedade especial de cereja, a ginja, originária de Cerasus, na Turquia. E é fácil acreditar que a origem da palavra cereja tenha derivado do nome da antiga cidade turca.

A colheita das cerejas é um processo delicado e de curta duração. Idealmente, deveria ser colhida à mão mas muitos produtores já optam pela colheita mecanizada.

As cerejas pertencem ao género Prunus, que inclui também ameixas, pêssegos e damascos. As cerejas cultivadas pertencem a duas espécies selvagens: Prunus avium, antepassado das variedades doces e Prunus cerasus, das cerejas mais azedas.
As cerejas, enquanto estão na árvore, são um alvo muito apetitoso para os pássaros. Antigamente, os produtores utilizavam gatos fechados em gaiolas, colocadas no alto das árvores,só para assustar os “pássaros-ladrões”.

Hoje há centenas de variedades de cereja em cultivo: as cores de pele variam de vermelho escuro a quase branco ou amarelo; a polpa vai de branco a vermelho-escuro; os caroços de brancos a pretos; e o sumo de transparente a vermelho-escuro.

A variedade Napoleão, cuja cor varia entre o vermelho-claro e o amarelo, é muito popular, assim como a doçura delicada e a cor escarlate da variedade Rainier.
As cerejas azedas geralmente crescem em árvores menores e na sua maioria utilizadas para cozinhar e para fazer licores.

Entre as variedades com mais tradição de cultivo em Portugal – sobretudo nas regiões da Cova da Beira, Resende, Alfândega da Fé e Portalegre – destacam-se: Saco da Cova da Beira, Saco do Douro, Lisboeta, São Julião, Big Burlat, Maring, Napoleão Pé Comprido e Big Windsor (Roxa), sendo as primeiras quatro de origem nacional.

Recentemente foram introduzidas novas variedades, mais interessantes do ponto de vista comercial pelo facto de o fruto atingir elevado calibre e ter melhor poder de conservação. É o caso da Brooks, da Hedelfingen e da Summit, entre outras.

As cerejas fazem sobremesas lindas: tartes, gelados, compotas e crocantes. Pratos de carne com cerejas azedas frescas ou secas existem nas culinárias turca e iraniana conferindo-lhes um sabor agradavelmente ácido, enquanto a utilização de cereja em sopas e molhos é uma opção muito popular no norte e leste da Europa.

 

SABIA QUE…

⇒ Durante a segunda guerra mundial, antes de partirem para missões suicidas os pilotos nipónicos pintavam flores de cerejeira nos aviões por acreditarem que a alma dos soldados mortos reincarnava em flores de cerejeira
⇒ Os índios americanos usavam a resina seca de troncos de cerejeira como pastilha elástica e a seiva aquecida como cola.
⇒ Em 1533, Henrique VIII enviou o seu especialista real em frutas à Flandres para descobrir novas variedades de cereja e levá-las para Inglaterra.
⇒ As cerejas são ricas em antioxidantes e antocianinas. Estas últimas têm propriedades anti-inflamatórias e podem ajudar no tratamento da gota, artrite e lesões desportivas.
⇒ Há um provérbio do século XVI que diz: “Nunca dê duas dentadas numa cereja, coma-a inteira de uma só vez”
⇒ Existem festivais relacionados com a cereja por todo o mundo, dos Estados Unidos à África do Sul, de Portugal ao Japão.
⇒ As cerejas têm elevado teor de potássio. Por isso, são recomendadas como um diurético natural.
Um sábio disse uma vez que ao olhar uma taça de cerejas começamos por escolher a melhor e terminamos a comê-las todas. A vida pode ser mais do que uma tigela de cerejas, mas este pensamento tem um lado indiscutível: a umas cerejas maduras, de pele firme e sumo doce, prestes a explodir, é impossível resistir!

 

RECEITAS:

 

SALADA DE PATO, CEREJAS E ESTRAGÃO COM AVELÃS E MOLHO DOCE DE BALSÂMICO

GELEIA DE CEREJAS E PÉTALAS DE ROSAS

CLAFOUTIS DE CEREJA E COCO

GELATINA COM CEREJAS INTEIRAS COM MOUSSE DE CHOCOLATE E CREME

Veja outros artigos